terça-feira, 26 de julho de 2011

Atentados fascistas contra marxismo na Noruega

Se ao invés de odiar o marxismo, como o confessou o assassino fascista da Noruega, esses coitados desses fascistas (nazistas, skin heads) estudassem as obras de Lênin, saberiam que os atentados terroristas são bem pouco eficientes. Pelo contrário, logo o notarão os líderes das organizações fascistas européias, o terrorismo quase sempre é um tiro no pé. Lênin, já em 1903, ensinava isso aos seus camaradas e adversários no livro "Que Fazer ?" Observemos a "inteligência" dos terroristas fascistas. Disse o fascista que foi preso que o objetivo dos assassinatos era divulgar as idéias racistas e anti-marxistas, mas bombas e balas não falam, não convencem, não são jornais, não são TVs, não são jornalistas, nem donos de jornais. A ignorância do espécime fascista capturado é tão grande que ele acha que um partido Trabalhista é marxista, enquanto na verdade o trabalhismo é anti-marxista, mas agora, devido ao ataque, os jovens trabalhistas terão curiosidade de estudar o marxismo. A idéia dos fascistas, o assassino também confessou, é que os ataques afastarão os jovens da juventude do Partido Trabalhista da Noruega, mas é claro para qualquer ser pensante, que agora essa juventude está eternizada. Uma coisa até então sem graça, ser da juventude do governo, sem chances de uma boa manifestação com alguma ação, tornou-se agora heróica, como gostam os jovens. Aliás, toda a esquerda norueguesa crescerá devido ao erro fascista, e com uma garra que não tinham desde a ocupação dos mesmos fascistas, na versão alemã, o nazismo, pois o assassino fez o favor de afirmar que 4 mil noruegueses devem ser mortos por serem marxistas, ou seja, deu aos comunistas uma razão de existir em um país em que o trabalhismo conseguiu tornar o capitalismo suportável para as massas.

Em resumo, o terrorismo não funciona. Qualquer blog é mais forte na condução dos destinos humanos que uma bomba ou que um tiro.

domingo, 17 de julho de 2011

Servidores municipais podem entrar em greve dia 20 de Julho

Recebemos por e-mail o manifesto publicado pelo Sind-UTE e pelo SindServ de São João del-Rei e o publicamos a seguir:


CARTA ABERTA A POPULAÇÃO


O SIND-UTE E O SINDSERV VÊM A PÚBLICO COMUNICAR A POPULAÇÃO DE SÃO JOÃO DEL-REI E REGIÃO QUE OS SERVIDORES MUNICIPAIS ESTÃO EM CAMPANHA SALARIAL 2011, DESDE O MÊS DE JUNHO.

A POPULAÇÃO PRECISA TOMAR CIÊNCIA DA AUSÊNCIA DE PROPOSTA POR PARTE DO PREFEITO QUANTO AS REIVINDICAÇÕES ADVINDAS DOS SERVIDORES, QUE NECESSITAM URGENTEMENTE DE:
* MELHORIAS SALARIAIS INCLUINDO A CORREÇÃO DA TABELA SALARIAL;
* CONDIÇÕES DIGNAS DE TRABALHO E SAÚDE PARA OS MESMOS E PARA A POPULAÇÃO;
* INSALUBRIDADE PARA AQUELES QUE TÊM DIREITO;
* ELEIÇÕES DEMOCRÁTICAS DE DIRETORES COM A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR;
* MELHORIA NOS POSTOS DE TRABALHO E INSTITUIÇÕES ESCOLARES QUE ATENDEM DIRETAMENTE A POPULAÇÃO.
* CONCESSÃO DE FÉRIAS PRÊMIO A TODOS OS TRABALHADORES QUE FAZEM JUS A ESSE DIREITO;
* PROGRAMA DE SAÚDE PARA ATENDIMENTO DOS SERVIDORES E FAMILIARES E OUTRAS REIVINDICAÇÕES ESPECÍFICAS DA CATEGORIA;

EMBORA JÁ TENHAM SIDO FEITAS VÁRIAS TENTATIVAS DE NEGOCIAÇÃO, A POSTURA ADMINISTRATIVA DO EXECUTIVO MANTÉM-SE INDIFERENTE ÀS NECESSIDADES DOS SERVIDORES E INSENSÍVEL ÀS DEMANDAS DA POPULAÇÃO.

POR NÃO TER SIDO AINDA APRESENTADA NENHUMA PROPOSTA, OS SERVIDORES MUNICIPAIS DECIDIRAM NÃO MAIS SE CALAR E LUTAR POR SEUS DIREITOS.

ALERTAMOS AOS SANJOANENSES QUE CASO NÃO NOS SEJA APRESENTADA NENHUMA PROPOSTA CONCRETA, ATÉ O DIA 20 DESTE MÊS, OS SERVIDORES PODERÃO ESTAR INTERROMPENDO SUAS ATIVIDADES EM TODAS AS REPARTIÇÕES PÚBLICAS MUNICIPAIS.

CONTAMOS COM A UNIÃO DOS SERVIDORES E O APOIO DE TODA POPULAÇÃO, NA EXPECTATIVA DE ESTARMOS CONSTRUINDO UMA CIDADE MAIS DIGNA!

SIND-UTE E SINDSERV 

quinta-feira, 14 de julho de 2011

O documento secreto do PSTU e o Partido Comunista em São João del-Rei

Fomos surpreendidos pela publicação, na Internet, de documentos "secretos" do PSTU em que nossa pequena célula comunista de São João del-Rei é citada na lista "Nossos inimigos no terreno da construção". Consideramos completamente anacrônica a ilusão de segredo e também discordamos de muita coisa do material que lemos, mas especificamente na parte que trata do Partido Comunista e de São João del-Rei devemos fazer alguns comentários.

Em primeiro lugar, os trotskistas do PSTU acreditam que os comunistas defendem a dissolução dos DCEs, confundindo isso com o poder das entidades de base. Informamos aos nossos "companheiros" (que nos colocaram na lista de inimigos) que eles é que dissolvem os DCEs, quando os controlam por meio de eleições diretas, porque então os DCEs se reduzem a comitês partidários.

Em segundo lugar, eles nos atribuem a direção do DCE da UFSJ. Não podem compreender que estudantes de várias posições políticas diferentes dirijam seu próprio DCE. Para dirigir o DCE da UFSJ os comunistas precisariam vencer as eleições da maioria dos Centros Acadêmicos, que já são quase 30. Se existissem tantos comunistas assim na UFSJ, sinceramente, nosso secretário político proporia a tomada da Reitoria, o estabelecimento da democracia total e direta, a presença livre, a transparência absoluta, dezenas de moradias e um bandejão por campus, em resumo, faríamos dessa Universidade um modelo. Aliás, se os comunistas tivessem um quarto do Conselho de Entidades de Base a agressividade política do DCE já seria bem maior do que é atualmente.

Ademais, muito nos honra que o que mais incomoda o PSTU no PCB seja exatamente essa nossa política de poder das entidades de base.

Eis os documentos "secretos" na integra:



Atentado a bomba no velório do irmão do governante imperial do Afeganistão

Os EUA estão camuflando sua retirada do Afeganistão com a suposta morte de Osama Bin Laden, que pode ter acontecido muito antes, mas o número recorde de mortes de seus soldados e a fragilidade do regime por eles criado mostram a realidade. Há dias atrás foi morto o irmão do presidente do Afeganistão eleito em Washington, por seus próprios seguranças! Agora, segundo se pode observar na Internet, aconteceu um atentado a bomba no velório, que deveria ser o espaço mais seguro do Afeganistão, dada a suposta presença em algum momento do presidente.

Corridos mais uma vez!

terça-feira, 5 de julho de 2011

Greve dos funcionários da UFSJ e boatos de greve dos professores

Faz muito tempo que a UFSJ não vive uma greve dos professores, talvez desde a grande greve de 2001, em nosso ponto de vista, fracassada. Da última vez que as Federais começaram a entrar em greve os estudantes se levantaram contra essa tática, que tem dado resultados muito pobres absolutamente todas as vezes em que é adotada, com exceção somente das greves feitas durante o final da Ditadura, que ganhavam amplo apoio popular porque adquiriam caráter político, uma vez que greves eram proibidas. As greves na educação são desmobilizadoras, destacadamente dos estudantes, que entram em férias fora de época.

Dessa vez, porém, entre os próprios estudantes deve haver apoio à greve, exatamente porque, queira-se ou não, essa greve tem um caráter político de reprovar a mudança de política do governo federal, que ao contrário de Lula está adotando uma política recessiva, atingindo a educação. Foram oito anos sem greve, e é só entrar um novo governo e acontece uma greve na Federal de São João del-Rei. Isso não pode ser escondido do povo nem mesmo pelo movimento despolitizado dos professores.

Os funcionários já estão em greve há algumas semanas, e a tradição nas Federais, ainda desconhecida em São João del-Rei, é que pouco depois dos funcionários, os professores entram em greve, até porque tudo começa a funcionar mal, ou não funcionar, atrapalhando as aulas, as pesquisas etc.

Para São João del-Rei mais férias da UFSJ, reduzindo o mercado em alguns milhares de consumidores, não é nada bom. Seria compensador se ao menos a greve fosse vitoriosa, o que aumentaria o consumo de algumas centenas professores e outros funcionários, mas não podemos iludir os leitores a esse respeito. As greves de professores das redes públicas têm sido, há vinte e poucos anos, completos fracassos.

Os professores têm dificuldades para aceitar que em seu caso somente abalar a popularidade do governo é eficiente. Preferem acreditar que suas paralisações são tão eficientes quanto as paralisações de operários. Acreditam que não oferecendo seu trabalho estão pressionando o governo. É por isso que não conseguem adotar uma tática realmente dolorosa para seus patrões, os governos federal, estaduais e municipais. Suas greves acabam transformadas em munição contra eles mesmos.

Se quiserem vencer um dia, os professores têm que aprender a ver o adversário (alguns parecem achar que são os alunos), que é agora o governo Dilma, e a bater nele, e a arregimentar aliados para contra ele, e bater pesado. Ninguém quer saber quanto os professores e funcionários ganham, nem de seus planos de carreira, nem de suas negociações com o governo, nem de nenhuma outra choradeira. O que interessa às pessoas é em que o governo está prejudicando a elas próprias!

Mas como os professores não têm unidade para chegar nem perto disso, eles farão uma imitação das greves operárias, e para o bem da economia de São João ao menos as férias de verão serão mais curtas...

sábado, 2 de julho de 2011

Agora a Revolução Bolivariana precisa se aprofundar com uma nova democracia

Tanto Hugo Chavez quanto o povo venezuelano foram colocados pela doença do Coronel diante de uma verdade que já inquietava os revolucionários experientes de todo o mundo - ninguém é imortal. Uma revolução não pode depender de uma pessoa.

Ao mesmo tempo, é fácil notar, Chavez é insubstituível, e não há outro instrumento de unidade das forças que protagonizam a Revolução Bolivariana, pois o PCV ainda não tem toda essa força e o PSUV tem sua unidade em Chavez. O resultado é que sem Chavez a Revolução Bolivariana poderia ser derrotada em uma simples eleição presidencial.

É portanto evidente que se torna necessário mudar rapidamente a estratégia até aqui implementada. Tem que ser desfeito o fortalecimento do poder presidencial, certamente criado na ilusão da imortalidade. Tem que se estabelecer verdadeiro poder popular, e há que se pensar até mesmo na extinção de uma cargo perigoso como o de presidente da República.

Também é indispensável garantir que o exército não se voltará contra o povo caso se levante um general traidor da Revolução e da pátria. Deve-se combater a ilusão de que os exércitos precisam ser internamente autoritários para serem eficientes. A história prova o contrário, pois o exército que venceu não foi o nazista, mas o Vermelho, e sempre, desde Cronwell na Inglaterra do século XVII, passando pelo Exército Vermelho chinês, pelo Exército Rebelde cubano, pelo Exército do Povo vietnamita etc., a democracia sempre dá a vitória às tropas que a praticam.