quarta-feira, 20 de abril de 2016

IMPEDIMENTO DARÁ SOBREVIDA AO PT

O impedimento foi a melhor estratégia para a saída de Dilma e dar sobrevida ao PT. Logicamente que os petistas não poderiam ter arquitetado esse plano brilhante sozinhos mas tal artimanha tinha que passar pela imbecilidade da oposição de sigla partidária.

O Petismo causaria a sua própria derrocada ao governar nessa conjuntura de crise na qual teria que fazer avançar a sua velha receita de governabilidade e apoio irrestrito ao grande capital e aos seus financiadores. Isso ficaria cada vez mais latente aos olhos dos seus poucos seguidores ideológicos. Obviamente que o PT não precisa acabar enquanto legenda para ser derrotado, mas, e é isso o essencial, a partir do seu esvaziamento simbólico e a sua consequente degeneração a somente mais um partido fisiológico entre tantos outros que existem no centro da política partidária.
Mais ainda, os antagonistas do PT deveriam ter dado o direito do Lula unir a sua sorte com a sorte do Partido e do Governo. Seria o fim do ciclo do PT, uma vez que teriam que fazer avançar ainda mais os seus ajustes fiscais tão exigidos pelos seus financiadores, dentro das receitas tradicionais e nos limites da direção econômica que o PT tanto se apega. O Governismo, doença inerente ao Petismo, seria de todo modo um desastre!
De outro modo, o impedimento salva o Petismo. Assim, se o próximo governo fazer as medidas de ajuste fiscal que o PT faria, este partido demagogicamente dirá que o ajuste sob sua condução não seria tão profundo quanto a necessidade do capital o exige.
O PT voltará aos tempos de demagogismo na oposição e de se colocar diferente das outras legendas por retórica e, por conseguinte, continuarão a colocar em sua órbita de (limitada) ação, os demais partidos que buscam o crescimento de uma verdadeira esquerda. Não foi por acaso que os únicos partidos que votaram inteiros em defesa da Dilma foram o PCdoB e o PSOL, além do próprio PT. Seres pensantes continuarão a se sensibilizar com o Petismo. Setores passivos diante do contraditório PT sairão às ruas enfrentando o PMDB. Ou seja, a verdadeira esquerda continuará sendo eclipsada pelo projeto de poder pelo poder do PT que até 2018 pautará a política partidária, como uma continuação do enfrentamento que PMDB e PSDB inauguraram com o impedimento.
Desses últimos partidos, nós só poderíamos esperar imbecilidades mesmo, uma vez que com essa ação atabalhoada nada mais fizeram do que justificar o PT como, agora vítima do sistema, um mal menor a ser defendido pelos petistas. A conciliação partidária que Dilma anunciou se sobreviver ao impedimento seria o desastre desse partido pelo seu esvaziamento simbólico. O protótipo da fusão aconteceu em MG aonde o PT mineiro não se furtou em fazer palanque ao Aécio. O resultado dessa fusão das letrinhas (PT+PSDB+PMDB=$) seria a catástrofe, uma vez que seria difícil do povo distingui-los depois disso.
E lá vai mais um biênio de despolitização das massas enquanto a classe trabalhadora continua a sofrer revezes retumbantes que seriam dirigidos pelo próprio PT, tais como a reforma da previdência, a flexibilização do trabalho, além da precarização da saúde e educação, somados com o avanço da renúncia de receita do Estado nos setores estratégicos como o petróleo e a energia elétrica a partir da ingerência e da corrupção generalizada nessas (mais ou menos) estatais.
Justifica, ressalta-se, que PSDB e PT continuem falsamente a polarizar a política nacional como dois lados de uma mesma moeda, ambos sustentados pelo PMDB, numa luta de lógica invertida, ou seja, a ruindade de um é defendida pela ruindade - um tanto maior? - do outro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário