segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Escolas foram OBRIGADAS a desfilarem no 7 de Setembro

O feriado de 7 de Setembro desse ano teve uma novidade: as escolas estaduais e as do município foram OBRIGADAS a marcharem com os militares na avenida. Além dos alunos, os professores e demais servidores das escolas também desfilaram. Perguntamos qual o motivo de tal OBRIGAÇÃO? Resta saber se, como foi domingo, o trabalho obrigatório dos servidores valerão por dois dias como acontece com qualquer trabalhador que trabalha ou marcha nos domingos!


Em discurso, no 7 de Setembro procura-se exaltar patriotismos e civismos vazios mas na prática com os desfiles oficiais, agora obrigatórios, somente transparece o militarismo e a sua concepção de ordem impositiva e excludente do restante do povo. A conjuntura da Independência do Brasil é simbólica do militarismo atual, uma vez que foi somente depois de sufocarem as manifestações populares e suas reivindicações que o monarca e a elite que o rodeava puderam romper com Portugal e, junto dos militares, manterem a ordem escravista e de miséria absoluta para o restante do povo.
No 7 de Setembro, não se rememora o povo como agente social ou a Independência do país mas com desfiles militares trazemos de volta somente a imposição da ordem de caráter militarista inclusive, se preciso for, contra as reivindicações populares.
O momento da obrigatoriedade não é sem sentido: acontece como política imposta por PSDB (Estado) e PT (município) um ano após as manifestações de junho de 2013 que não foram ouvidas pelos surdos que estão nos governos. A fala da secretária de educação do município de São João del Rei Mercês Correa convocando os professores fora emblemática: "É preciso resgatar [com o militarismo] o patriotismo e o civismo que anda tão atacado ultimamente".
Vale lembrar que a demonstração de forças militares desse ano foi mais orquestrada que o ano anterior: mais batalhões e caminhões com crianças obrigadas a estarem lá balançando bandeiras, embora ainda não chegamos nos tempos saudosos em que as escolas obrigavam os alunos a comprarem novos uniformes de véspera, para se apresentarem limpos e bem vestidos e que se retirava o aluno das aulas para treinarem a marcha militar.
Nesse ano, a vereadora Vera do Polivalente desculpou a falta da organização militar das crianças em seu facebook dizendo que se tratava apenas de uma "caminhada pela paz" feita pelas escolas, omitindo o fato da obrigação de tal desfile aos alunos e demais professores e funcionários. Em seu facebook também a vereadora diz que foi com os exemplos de militares em sua família que ela na infância aprendeu a "amar o país".
Será que precisamos ser obrigados a desfilar para amar o país? Se amamos porque somos obrigados a isso? Somente com os militares aprendemos a amar o país ou esse amor serve para colocar o povo em estado de subserviência? E o desfile nos faz rememorar independências de fato ou somente os militares estão mandando seu recado e demonstrando suas forças para o povo os temer? Ainda assim, queremos saber se o domingo de trabalho valerá por dois dias como os outros que marcham para seus serviços no domingo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário