terça-feira, 3 de junho de 2014

A falsa polêmica sobre os falsos conselhos populares petistas

Acabo de estudar o decreto 8243/2014, que institui ditos "conselhos populares", que segundo os petistas ampliariam a democracia. A direita, representada pela grande imprensa "brasileira" e pelos partidos recolonizadores, já se levantou hidrofóbica, babando, e acusado Dilma de estar tomando uma atitude "chavista". Na verdade é tudo uma farsa, que só serviu para desmascarar a direita mais uma vez, tal e qual a "constituinte política exclusiva", que só serviu para acalmar o povo e colocar a mesma direitalha viúva da ditadura em desespero.



O decreto não dá poder nenhum aos tais "conselhos populares", que portanto são mais órgãos consultivos, como os conselhos inúteis que Lula criou logo que tomou posse e como os conselhos igualmente inúteis que existem em todas as cidades para cumprir leis mal feitas. Em resumo, não mudam em nada o regime político, não diminuem em nada o poder dos políticos, não aumentam em nada a participação popular.

Nas entrelinhas do decreto pode-se notar que nesses conselhos os representantes da sociedade civil, que não está nem um pouco claro como serão escolhidos, estarão em paridade com membros do governo. Ou seja, assim como os conselhos criados e esquecidos no governo Lula, esses conselhos da Dilma também são preenchidos em sua metade por indicados, e a outra metade, que seria de representantes populares, não se sabe como será eleita, o que torna toda a lei uma palhaçada.

A atitude da direita é a única coisa séria em toda essa farsa, pois revela o que a direita de fato é - o lixo da história, a velharia, a defesa da corrupção e da ladroagem, o fascismo, o autoritarismo mais chulo. Não é novidade, pois a direita já tinha revelado tudo isso várias vezes! Dessa vez, porém, a direita, por meio do editorial do Estadão, deixou claro seu conceito de democracia, e é o regime que temos sem tirar nem por uma vírgula. Democrático seria aceitarmos os deputados como nossos representantes, e só participarmos nas urnas, votando nesses deputados que envergonham a nação.

Claro que os deputados e donos de jornais leram o decreto, e sabem, como qualquer um que o ler, que esses tais "conselhos populares" são "para inglês ver", assim como sabiam que a "constituinte exclusiva para reforma política" provavelmente criaria leis eleitorais ainda piores que as atuais. O que fica claro é que os mesmos que defendem a recolonização do Brasil, a completa submissão de nossa economia e de nossa nação aos EUA, defendem também a imutabilidade da Constituição de 88, escrita por deputados ligados à ditadura.

O medo da direita é o de sempre, é medo do povo! A simples ideia de que o povo de opiniões, ou de que o povo discuta uma nova Constituição, apavora aqueles que vivem de extorquir as massas ignorantes. A condição básica para que as massas se deixem roubar como hoje deixam é que permaneçam na ignorância, e discutir e dar palpites vai em sentido contrário à ignorância. Como de costume nos últimos anos, a direita está fazendo propaganda para o PT, uma vez que o eleitorado é de esquerda e a gritaria da direita faz os eleitores desavisados pensarem que o decreto da Dilma é realmente de esquerda.

Só para ficar claro, vamos lembrar aqui o que é uma posição realmente comunista a respeito do assunto: 1 - A Constituição de 88 não é uma democracia para os trabalhadores, mas só para os ricos. 2 - Deputados não nos representam. 3 - Eleições diretas não são uma forma decente de escolher representantes do povo. 4 - Verdadeiros Conselhos Populares não têm nenhum representante do governo, eles derrubam e trocam governos. 5 - Verdadeiros Conselhos Populares são eleitos entre os operários nas fábricas, entre os soldados nos quarteis, entre os estudantes e professores nas escolas, não são órgão consultivos indicados por governos corruptos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário