quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Antes de assumir, prefeito eleito já descumpre promessa de campanha


Helvécio reis, prefeito eleito de São João del-Rei, antes mesmo de assumir a prefeitura, já conseguiu descumprir uma promessa que fez durante a campanha eleitoral. A dita promessa foi formalizada numa carta de intenções assinada pelos candidatos a prefeito, durante o debate promovido pelo SIND-UTE e o SINDSERV, no teatro municipal. O termo proposto era que, no caso da secretaria de educação, o candidato aceitaria a indicação do secretário pelos profissionais do setor, os professores, por intermédio do sindicato.

Curiosamente, o prefeito eleito tem se desgastado justamente para aprovar imediatamente, junto ao legislativo, o aumento do salário dos seus secretários, com a justificativa de se tratar de grandes profissionais e, por isso, pretende-se grandes salários. Sabemos que: dos secretários indicados pelo prefeito, este sempre se preocupará com política eleitoral em primeiro lugar e, se sobrar tempo, atenderá aos interesses da pasta e dos respectivos servidores.
Em contradição com o investimento na burocracia política, o prefeito eleito já correu algumas escolas municipais para lamentar que a prefeitura foi quebrada pelo atual prefeito. Com isso, o prefeito já vai preparando os professores para aceitarem pouco ou nenhum reajuste de salário, no primeiro ano de mandato. Provavelmente, se trata de articular as desculpas para o adormecimento em que a prefeitura se colocará até o próximo período eleitoral.
Ainda não sabemos o motivo pelo qual o SIND-UTE não manifestou interesse em ver realizado a promessa de conseguir indicar o secretário de educação, pois, sabemos que o futuro prefeito, ao rodar as escolas municipais, já declarou que se tratava apenas de uma carta de intenções e que, portanto, não está obrigado juridicamente a cumprir o que havia acordado naquele debate do teatro municipal com a presença maciça de servidores. Até aonde deve ter ido o esforço do futuro prefeito para realizar o que assinou naquele teatro?
De nossa parte, não concordamos com super salários. Precisamos de um secretário que se coloque comprometido, em primeiro lugar, com as necessidades da pasta. Isso aconteceria se fosse indicado diretamente pelos professores, estes os que melhores conhecem os problemas da área. E mais, os professores saberiam por conhecimento de causa se alguém os dissesse que a secretaria está quebrada pela ação de terceiros e que não receberão reajustes por causa disso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário