terça-feira, 3 de julho de 2012

Sobre o crescimento das burrocracias eleitorais

Essa é a terceira eleição em que me envolvo diretamente com o conjunto das burocracias eleitorais. Motivo pelo qual posso afirmar que elas estão crescendo. Inutilmente, devo acrescentar. Ou pior, essas burocracias têm uma utilidade antidemocrática, a elitização das eleições pelo mais capitalista dos critérios, o dinheiro, mesmo porque, time is money. As burocracias não impedem a corrupção, nem os crimes eleitorais, nem os dificultam.


Nessas três eleições tivemos que preencher montoeiras de papéis e mais difícil, em um programa de computador, o temido Candex. Da primeira vez instalar esse programa foi uma luta, vencida no último minuto do segundo tempo. A versão 2012, para nós, até agora, foi muito mais fácil de instalar e está muito mais amigável ao usuário, o que é um mérito dos programadores, não dos políticos nem dos tribunais.

Os programadores devem rir muito quando têm que fazer o programa exigir um número de fax de cada candidato, de cada coligação. Se fosse só engraçado pelo desuso seria bom, mas é uma dificuldade, pois não se deve mais nem fabricar aparelhos de fax.

Nessas três eleições os candidatos tiveram que abrir contas, mas nessa agora, além de cada candidato, cada partido também tem que ter duas contas, uma constante, outra só para as eleições, e a coligação também tem que ter uma conta. Novidade necessariamente relacionada a essa é que cada partido, em cada município, tem que ter um cnpj, e cada coligação e cada candidato também recebem um cnpj próprio. Ganham os cartórios, registrando atas que até há dois anos não precisavam ser registradas, e reconhecendo assinaturas até então desnecessárias.

Não me lembro quantos Nada Consta diferentes foram necessários nas eleições de 2008, mas na de 2010 foram 3, uma na internet do Tribuna Regional Federal e duas que pegávamos em São João del-Rei mesmo. Em 2012 são necessários 4 Nada Consta, três em São João e o mesmo na Internet. Ao menos não cobram taxas. A única função é afastar os foragidos dos cargos eletivos.

Esses Nada Consta precisam ser digitalizados e anexados ao programa Candex, assim como o digital tem que ser impresso e anexado aos formulários que o Candex produz depois de preenchido. Ou seja, a mesma montoeira de coisas tem que ser entregue em cd e em papel. Nada ecológico. Pode-se dizer que é óbvio que esses documentos têm que existir em papel e assinados de próprio punho, que não podem ser só digitais, mas o documento mais importante das eleições, o único que realmente interessa, o voto, agora é só digital, não tem comprovante nenhum de papel.

Um comentário:

PCB Ipatinga disse...

Camarada Alex, bom dia!

Como sempre, mais um comentário perfeito, uma visão prática e simples como anda em retrocesso nosso sistema eleitoral, sempre no intuito de afastar os mais simples e com menos recursos, sejam financeiro, sejam de estrutura, isso serve para comprovar mais uma vez que eleições não são nada democráticas, porém o PCB entra nesse jogo ra forçar a democracia, sem nenhuma utopia de vencer a força maquiavélica e desumana do capital.
Mas vamos lá camaradas, equanto há vida há luta, por essas e outras que aqui em Ipatinga adotamos dois bordões:
Não é o PCB que é diferente, os outros é que são todos iguais!
E por não haver ouro partido de esquerda em Ipatinga e menos ainda por não termos também nenhum partido que possamos a vir nos coligar sem queimarmos e mancharmos nossa hstória adotamos:
Antes só que mal acompanhados!

Postar um comentário