terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Ditadura colombiana sofrerá forte impacto da libertação dos prisioneiros de guerra das FARC

Há alguns anos, em resposta à infeliz sugestão de Hugo Chavéz para que as FARC largassem as armas, o São João del-Pueblo defendeu que as FARC permanecessem em armas, mas libertassem todos os prisioneiros de guerra.

Largas as armas, para os guerrilheiros colombianos, seria suicídio. Só seria possível se também saíssem do país, pois caso contrário seriam assassinados um a um. Não é preciso explicar isso aos colombianos.

Os prisioneiros, contudo, estavam atrapalhando a guerrilha e fortalecendo o ditadura. Uma guerrilha precisa de mobilidade, para atacar e fugir rapidamente, e arrastar prisioneiros só pode reduzir a velocidade da marcha, tornar mais lenta a montagem e levantar acampamento. Na verdade, com prisioneiros, as FARC precisam manter acampamentos quase permanentes, o que é absolutamente o contrário do que uma guerrilha precisa fazer.

Os prisioneiros não serviam como escudo humano, pois a ditadura não hesitava em bombardear os acampamentos nem mesmo tendo certeza de que tinham prisioneiros. Pelo contrário, matar os prisioneiros é um dos objetivos da ditadura. Os prisioneiros só eram úteis para a propaganda de guerra da ditadura contra a guerrilha, dentro e fora da Colômbia.

A ideia de trocar prisioneiros com a ditadura é uma ilusão. Os guerrilheiros presos só serão libertados quando a ditadura cair.

Sendo assim, consideramos muito positiva a decisão das FARC de libertarem todos os prisioneiros, e acreditamos que ela elevará o potencial de combate da guerrilha, e enfraquecerá a ditadura. A ditadura colombiana é hoje o maior aliado dos EUA na América Latina, e o maior perigo para as revoluções que acontecem na Venezuela, no Equador e na Bolívia. É um perigo mesmo para o Brasil...

Com os melhores armamentos que os EUA podem oferecer, e 500 mil soldados, a ditadura não conseguiu destruir as FARC, com cerca de 10 mil guerrilheiros que têm que vigiar prisioneiros. Com a guerrilha livre dos prisioneiros, poderá deixar a postura defensiva que tem adotado e lançar uma grande ofensiva, que se gerar levantes nas grandes cidades pode vir a derrubar a ditadura.

Um comentário:

AF Sturt Silva disse...

De acordo também. http://www.odiario.info/?p=2396

Postar um comentário