segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Sobre os expurgos no PDT e no PTB de São João del-Rei

Quase ninguém sabe, mas dadas as leis eleitorais atuais, e suas regulamentações atuais, estamos na época em que os candidatos de 2012 têm que ser filiados, sob pena de não serem candidatáveis. Eis o contexto do que se deu com o PDT e o PTB. Como a maioria do partidos na maioria das cidades do Brasil, eram Comitês Provisórios, existentes por vontade das respectivas direções estaduais, e estas agora, na época de tomar essas decisões, entregaram suas siglas, bandeiras e números a outros cidadãos.

Quem passar por esses dias meia hora dentro de um cartório assistirá cenas lamentáveis de degradação humana, porque as coligações, jogando o jogo conforme suas regras, precisam lançar o maior número possível de candidatos. Para isso elas apelam para qualquer expediente, para qualquer tipo de candidato, mesmo para os que não sabem nem o que significa a sigla em que se filiam, ou a que usaram nas eleições passadas. Quanto mais candidatos lança uma coligação, é quase certo que terá mais vereadores, pois a eleição de parlamentares, a despeito do que entendem os eleitores, é partidária e proporcional, ou seja, cada coligação tem exatamente a porcentagem de vereadores que tem de votos válidos. Os eleitores, saibam ou não, gostem ou não, votam nas coligações.

As siglas partidárias, então, se tornam de extrema importância, uma vez que a lei impede a participação nas eleições para quem não é filiado e lançado por um partido. Como cada coligação só pode ter de candidatos, no máximo, o número de parlamentares mais 50%, os candidatos mais fortes à prefeitura precisam de mais partidos além daquele em que são filiados, para formarem mais de uma coligação para as eleições de vereadores. Não é a toa, é muito normal vencer as eleições o candidato a prefeito que tem mais candidatos a vereadores na sua base. Os partidos são então disputados a tapa, junto às direções estaduais.

De fato, o único canal de participação ativa na política eleitoral brasileira é o partidário, que está longe, como se nota pelo exemplo do PDT e do PTB de São João del-Rei, de ser democrático ou mesmo aberto. A proposta da rede Globo (ou seja, a proposta oficial dos bandidos que dominam o país) contudo é reduzir ainda mais esse canal de participação, extinguindo partidos e dificultando a vida dos partidos pequenos. Dizem, e basta que digam para que milhões de imbecis repitam, que existem partidos demais ! Ora, se com a quantidade que são já não são suficientes, sendo disputados com todo tipo de baixaria, como será se forem reduzidos?

A proposta capitalista (a da Globo e repetidores), é assustadoramente inábil. Em primeiro lugar, ela coloca para fora do jogo politico oficial a maioria das pessoas, obrigando-as a buscarem outros caminhos. Em segundo, ela só deixaria atuando os grandes partidos, que são exatamente os mais atingidos por dezenas de denúncias de corrupção. Talvez o objetivo seja o futuro estabelecimento de uma ditadura, regime mais ao gosto dos ricos, mas não é um plano inteligente, ajudar a desmoralizar um regime em que se tem hegemonia para tentar estabelecer um regime em que se tem mais poder ainda, parece um tiro no pé.

A nós comunistas cabe assistir e aproveitar ao máximo. Já chega de sermos nós, os maiores inimigos do capitalismo, os principais defensores da democracia capitalista. Nossa democracia é outra, verdadeira, soviética, completamente diferente da sujeira eleitoral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário