segunda-feira, 22 de agosto de 2011

A crise da Física

Há alguns anos tenho notado que a Física, que por compreender a astronomia tem sido historicamente a ponta de lança das ciências, está entrando em uma crise tremenda de todas as suas bases atuais, obviamente limitadas e ainda atreladas à religião. Destaco três pontos:

- O acelerador de partículas provou que as expectativas dos físicos subatômicos, que nas últimas décadas devanearam para um mecanicismo confesso até no nome "mecânica quântica", não se realizaram. Seria cientificamente correto que já estivessem chegando às conclusões necessárias, e informando-as a todos, mas alguns estão tentando é "salvar o fenômeno", como se dizia na Idade Média das retoques que se dava à teoria das esferas cósmicas que acreditavam sustentar os planetas toda vez que a observação real dos planetas não correspondia à teoria.

- Os aparelhos de observação do espaço, com destaque para os telescópios gigantes em órbita, têm fotografado galáxias se aproximando umas das outras, ao invés de se afastarem. Para salvar a teoria do Big Bang, alguns físicos dão explicações para isso, mas de toda forma, então, não é certo que TODAS as galáxias afastam-se uma das outras, conforme o PREssuposto da teoria do Big Bang. Ironicamente, o telescópio que nos legou a maioria dessas fotos tem o nome do criador da teoria. Já não era uma teoria bem aceita por todos, porque já exigia que acreditássemos que o tempo e o espaço não existiam antes da tal grande explosão, ou seja, em Papai Noel.

- Há alguns anos chegaram notícias de experiências em que a velocidade da luz variava. Aguardei com cuidado novas notícias a respeito, e agora chegam novas de que a luz pode viajar até ao dobro da velocidade até então tida como máxima e invariável em quaisquer circunstâncias. Os realizadores mesmo da experiência afirmam que isso não derruba Einstein, mas a verdade é que de fato não é Einstein que cai se se comprovar que a luz tem velocidade variável e inclusive maior que 300 mil quilômetros por segundo, mas sim AS BASES sobre as quais ele criou a teoria da relatividade ! As bases ! Porém, nesse caso, ainda é preciso cautela e análise das experiências.  

Devo acrescentar que o que está caindo são limitações.

A teoria do Big Bang é uma limitação, pois limita a existência do Universo no tempo e no espaço. O Universo teria surgido, ou seja, não teria existido sempre, e estaria em expansão, ou seja, teria sido pequeno e estaria crescendo, ao invés de ser infinito.

A mecânica das partículas é em si resultado da limitação de nosso poder de observação do micro universo, que levou os físicos a imaginarem e reimaginarem partículas para adequar alguma coisa pensável à sua matemática e às suas experiências, que é o que têm de correto. A imaginação humana nunca é tão complexa quanto a realidade, e aliás tende a ser mecanicista e "quântica", mas a realidade nunca é nem uma coisa nem outra. Se a mecânica imaginada pelos físicos estivesse correta, o acelerador de partículas gigantesco que acabou de ser construído e está sendo usado há meses o teria provado. Ao dar resultados inesperados, o acelerador de partículas abriu o campo para interpretações mais complexas e o melhor para a ciência, confissões de ignorância.

Desde quando Einstein era um guri, o mundo da física foi desafiado por uma limitação, cujos estudos de Einstein estenderam da luz ao resto do Universo. A luz teria uma velocidade fixa, e fixa mesmo a despeito da velocidade do observador, o que parece absurdo. Foi esse problema que Einstein se propôs a resolver e a solução desse problema se entrelaça com a teoria da relatividade. Tentemos simplificar: A solução é que o espaço e o tempo não são duas coisas separadas, mas uma só, e quem viaja no espaço viaja no tempo, e quanto mais rápido se viaja mais lentamente passa o tempo. A velocidade máxima seria a da luz, na qual o tempo praticamente não passaria, e por isso para a velocidade da luz a velocidade do observador seria inexistente. Parece mágica, mas foi a explicação mais genial para as experiências que atormentavam os físicos. Note-se que assim foi concebida uma velocidade máxima, além do qual o tempo recuaria. Para qualquer outra matéria que não a luz, a velocidade limite seria a destruição, uma vez que a massa atingiria um patamar imenso insustentável e se desfaria em energia.

Estão portanto caindo os limites de tempo, espaço máximo do Universo, espaço mínimo do Universo e velocidade.

2 comentários:

T.Almeida disse...

Belo texto Camarada!

Tempos atrás eu me detive em algumas reflexões sobre os impactos da Mecanica quantica sobre o Materialismo cientifico... Cheguei a crer q essa materialidade universal estava em cheque!

E o que se vê nesses ultimos tempos é um crescente grupo de espiritualistas utilizando da quantica pra justificar muita alucinação por aí ( eu mesmo compartilho de alguns pontos sobre...).

Senti falta de alguns links e fontes externos sobre o que vc defende nesse texto. Poderia disponibiliza-los para nós?

alex disse...

Bom, na verdade nada disso é difícil de encontrar:

- os choques de galáxias estão na net, é só lançar em qualquer buscador de imagens.

- os fracassos do acelerador viraram notícia em todos os telejornais.

- das pesquisas sobre a velocidade da luz o que li foi uma nota do site da Juventude Rebelde, de Cuba, para o qual coloquei um link na coluna "Notícias Internacionais".

Postar um comentário