quinta-feira, 28 de abril de 2011

Dilma está chamando a crise para o Brasil - Que democracia é essa ?

O governo Dilma está se tornando a traição dentro da traição. O governo Lula já foi, para os militantes que o apoiaram desde 1989, uma tremenda traição, mas o governo Dilma está conseguindo ser uma traição mesmo da linha de governo lulista! Lula confessou o que qualquer comunista entende facilmente, dizendo que foi necessário um operário metalúrgico retirante do nordeste para levar o capitalismo ao seu desenvolvimento ótimo no Brasil. De fato, em seus oito anos, longe de dar qualquer passo em direção ao socialismo, Lula desenvolveu o capitalismo. Porém, enquanto o mundo entrou em crise, o Brasil continuou crescendo, ancorado em exportações para a China e o Mercosul, e estimulado por gastos do governo que a oposição servil aos interesses estadunidenses criticava como irresponsáveis.

A população votou pela continuidade do rumo adotado por Lula, e mesmo entre capitalistas se votou em Dilma com medo de que os tucanos dificultassem as relações econômicas com os concorrentes dos EUA e cortassem gastos públicos. Felizmente, a sinalização de estreitamento de laços com os EUA não significa que o governo Dilma cederá à pressão da extrema direita para prejudicar as relações com a China, a Venezuela, a Bolívia e o Equador. Mas os cortes de verbas e a política recessiva, com a desculpa de conter a inflação, ou seja, pregando cautela, são na verdade um perigo tremendo.

Em um mundo em crise, repito, os investimento públicos têm sido uma salvação, pois compensam os desestímulo reinante na economia global. Se os preços sobem isso significa que é necessário produzir mais, de forma que os preços caiam. Ou seja, a inflação deve ser combatida crescendo, o que a história demonstra que é possível e também o jeito mais fácil. Porém Dilma fez a escolha tucana - limitar o aumento do salário mínimo, limitar os investimento e daí a criação de empregos, gerando talvez até desemprego, de forma a limitar o consumo. Ou seja, ela está escolhendo combater a inflação decrescendo, gerando sofrimento para o povo, colocando em risco várias empresas, colocando assim em risco a própria economia em conjunto, sob a pregação de prudência.

Se o povo quisesse essa política de conter o crescimento econômico, teria votado nos tucanos! Mas cada eleição serve para nos ensinar de novo que o povo não manda em nada, porque nossa democracia é isso ai.

Outra prova do que vale nossa democracia são os votos verdes, que foram muitos para uma campanha relativamente pobre, mas estão sendo completamente desrespeitados com a aprovação de um código florestal que não agrada os ambientalistas, com a construção da hidroelétrica ineficiente de Belo Monte etc.  

4 comentários:

Insurgente disse...

Vivemos um período de desenvolvimento econômico no Brasil, mas as condições de exploração dos trabalhadores são duras e a exploração dos recursos naturais é enorme, porque este crescimento está submetido à concentração dos benefícios nas mãos da grande burguesia e dos banqueiros. Não há uma melhora social para os trabalhadores. O governo que temos serve ao capital internacional e aos investidores privados, e desmobiliza a sociedade pela cooptação e pela perseguição das organizações e sindicatos dos trabalhadores. No Brasil ainda existem vários sindicatos combativos, mas que são incapazes de assumir um papel decisivo na lutas de classes em favor dos trabalhadores. Estamos em uma época difícil, e apesar das organizações sociais combativas que temos, nenhuma força sinaliza com a construção de um projeto socialista que seja capaz de unificar os trabalhadores e radicalizar a luta de classes no Brasil.

Revistacidadesol disse...

Olá, Alex e camaradas:

Curiosa essa guinada à direita do PT e de Dilma, aliás anunciada pelo Ivan Pinheiro. Mas temos que ver as consequências e finalidades.

Não acho que é traição, acho que é uma estratégia elaborada pelo grupo de Lula. Creio que eles têm em vista um projeto de centro, aglutinando o Aécio no PSD, que é um partido feito sob medida para ele, evocando inclusive a imagem de JK.

Mas, para arriscar com um centrão unindo Aécio e Lula numa chapa para suceder Dilma, por exemplo, imitando uma alternância no poder, a coligação com PMDB precisaria arrebentar a oposição à direita. Por isso, imagino as crises atuais no PV (onde Marina ameaça sair) e no PSDB e no DEMO (onde até Índio já deixou o barco).

Anarchist disse...

Nenhuma novidade debaixo do sol que ilumina o Brasil. Como pontuou a jornalista Elaine Tavares, “A presidenta Dilma Rousseff segue os passos de seu mentor, Luis Inácio, no ataque aos trabalhadores”. "Desenvolvimentismo ou capitalismo?" por Lucas Morais (http://www.diarioliberdade.org)

Sam Joam d'el rey disse...

Capitalismo para todos! Exclamou a presidente... E eu me pergunto, não é o capitalismo que aumenta o fosso crescente entre ricos e pobres? Que reparte a riqueza de forma muito desigual? Antes, o próprio Lula defendeu a expanção do capitalismo para aumentar as oportunidades de todos, com o argumento de que no seu governo a economia tornou-se mais dinâmica e as condições dos trabalhadores (salários) melhoraram... Mas não é exatamente o capitalismo que submete os trabalhadores à exploração do trabalho, à exclusão social, a destruição da natureza e a subordinação de todas as outras formas de organização social à lógica da acumulação e da produção incessante de lucro?

Postar um comentário