terça-feira, 1 de março de 2011

Imprensa "brasileira" prepara invasão da Líbia

A imprensa sob controle estadunidense em todo o mundo está preparando os ânimos para mais um crime de gigantescas proporções. Essa imprensa dita brasileira, mas completamente assalariada e atrelada a Washington, afirma que os líbios estão bombardeando outros líbios, para desculpar previamente os bombardeios que os seus patrões de fato pretendem fazer, matando milhões de civis. Essa mesma imprensa mentirosa então mostrará vídeos de propaganda de seus chefes em que as bombas só atingem alvos militares. Esconderá as estatísticas, que mostram que enquanto na II Guerra os civis foram somente 30% das vítimas, nas últimas guerras feitas pelos imperialistas os inocentes chegaram a 90%. A imprensa é um poder, como o governo, a justiça, as forças armadas. No Brasil esse poder está hoje majoritariamente em mãos estrangeiras, e essa é agora a maior limitação à nossa soberania. A imprensa "brasileira" faz a propaganda de guerra de seus chefes estadunidenses aqui dentro do Brasil !!! Essa mesma imprensa vendida cria uma rivalidade sem motivos entre brasileiros e argentinos; é inimiga dos investimentos militares e espaciais brasileiros; é contra qualquer medida nacionalista etc.

O projeto do governo Dilma para a imprensa, que está passando por alterações, se continuar com o espírito anterior será derrotado, se não no Congresso, na justiça, ou se não nas ruas. Acontece que é um paliativo muito inábil, pois é a criação de uma censura com um nome bonito. Tal palhaçada só empurrará as massas para o colo da imprensa controlada por Washington! Se não se quer o controle estatal, então o caminho só pode ser democrático, o que não pode ter nada haver com a criação de um conselho censor, mas sim com a democratização de CADA órgão de imprensa, colocando todos sob controle direto da população e colocando fora da lei a apropriação privada, direta ou indireta (aparelhamento), de meios de comunicação de massas.

É possível, assim como existem leis regulando as cooperativas e os sindicatos e tentando mantê-los com um funcionamento democrático, também são possíveis leis dando poderes aos trabalhadores dos jornais e à população atingida pelos meios de comunicação. Assim como cooperativas e sindicatos não podem ser propriedade de ninguém mas também não são propriedade do Estado, é possível com os órgãos de imprensa. 

Um comentário:

Diógenes disse...

Dá mesma série "Os intocáveis", esta a imprensa e a justiça brasileira, que aliás, na revisão ortográfica, deveria ter ficado com 2 "s" (SS): Justissa.

Postar um comentário