sexta-feira, 4 de março de 2011

Basismo e poder das entidades de base - coisas diferentes e opostas

Nós comunistas temos que defender o poder das bases em todos os Sindicatos e DCEs do país, mas isso não significa que estejamos isentos de combater o basismo. Poder das bases e basismo são não só coisas diferentes como opostas.

Não temos no Brasil um exemplo de Sindicato realmente dirigido por seus trabalhadores. O melhor exemplo que temos, de São João del-Rei, é um Sindicato, dos Metalúrgicos, em que as bases de fato conseguem influenciar na formação da diretoria, e depois têm voz na decisão de seus próprios assuntos, mas de resto o Sindicato é dirigido pela diretoria. O que permite essa situação, rara no Brasil, é um Congresso que compõe a chapa que ratificada pela eleição dirige a entidade. Mas mesmo assim, e apesar de todos os esforços (por exemplo, é caso raro de Sindicato que consegue manter um jornal mensal, o que não é problema de dinheiro), as bases ainda permanecem a maior parte do tempo afastadas. Em todo o país a situação é ainda pior, com Sindicatos que têm "donos", o que explica a atual crise do movimento sindical. Isso se deve à imposição da ditadura de Vargas (1937-1945), que tomou todos os Sindicatos pela força da lei e da polícia e lhes impôs a estrutura política à qual estão presos até hoje. A "esquerda" brasileira é cega para isso, e em sua ignorância acredita piamente que o design político não interessa, que "o que interessa são as pessoas", uma tremenda demagogia.

No movimento estudantil temos um exemplo de poder da bases, no DCE-UFSJ, mas nesse caso existe a facilidade de já existirem entidades de base, ou seja, Centros Acadêmicos e Grêmios de cada curso ou escola. A Ditadura de 1964 a 1985 tentou liquidar de todas as formas possíveis as entidades de base, e criou DCEs com o mesmo princípio organizacional (design) dos Sindicatos de Vargas, mas não conseguiu extinguir as entidades de base, enquanto as empresas têm tido sucesso em impedir a organização dos trabalhadores nos locais de trabalho.

Então, obviamente, no movimento estudantil os comunistas devem defender o poder das entidades de base, e no movimento sindical têm que criar maneiras de dar o poder aos trabalhadores. Mas os comunistas param por aqui! O poder deve ser do povo, dos trabalhadores nos Sindicatos, dos estudantes em suas entidades, dos moradores em suas cidades, do povo todo sobre os governantes etc. Mas isso não significa que "a voz do povo é a voz de Deus", até porque isso seria blasfemar contra os deuses de qualquer religião. O poder deve ser do povo, mas o trabalho dos comunistas não é concordar com o povo, cheio de preconceitos e idéias atrasadas.

O mais forte e limitador desses preconceitos é contra a política! O preconceito contra a política tem uma forte base na realidade dos países capitalistas e é ainda alimentado pelos meios de comunicação de massas. Todos percebem que nisso que no mundo capitalista se chama democracia o povo não manda em nada, pois já elegeram prefeitos, governadores, presidentes etc, por trinta anos e continuam tendo mais e mais do que não querem de forma alguma, e é claro que isso desmoraliza a política. Por sua vez, como é do interesse das classes dominantes, capitalistas, a sua imprensa só mostra ao povão o que há de mais sujo na vida política, relacionando como coisas inseparáveis política e podridão, de forma que ser chamado de político virou ofensa.

Deixadas a si mesmas, as bases serão guiadas pela imprensa capitalista, pelas igrejas e por todas as formas de se propagar as idéias dominantes. Nos movimentos sindical e estudantil, as bases por si sós se afundam cada vez mais em seus problemas específicos, desligando-se do mundo, devido a seus preconceitos e ao egoísmo reinante. Os Sindicatos passam a lutar somente por salários e direitos, e as entidades estudantis por coisas como preços das cantinas, dos xerox e do transporte. Ou seja, os movimentos ficam limitados aos anseios espontâneos e aos preconceitos de qualquer trabalhador ou estudante. Basta lembrar que nem mesmo os escravos eram contra a escravidão antes da propaganda abolicionista. Cada escravo queria ser livre, mas isso não é ser contra a escravidão. As irmandades de escravos, constituídas só por escravos, na maioria das vezes chegavam no muito à ajuda mútua e só em raríssimos casos levantaram a voz contra a escravidão. Conhecemos em São João del-Rei só um caso, de uma carta enviada pela Irmandade do Rosário ao Rei em Lisboa, pedindo-lhe que estendesse ao Brasil a lei que abolira a escravidão em Portugal. Ou seja, nem a escravidão com suas torturas físicas e morais fazia com que a base fosse naturalmente politizada.

Quem sempre combate essa tendência natural basista a se limitar são os revolucionários de todas as épocas que ao invés de se abaixarem aos preconceitos das bases, se esforçam por puxar as bases para enxergar a política. Se não chegam a romper seu preconceito com a política, não há utilidade para as bases em terem o poder! Contudo, mesmo quando assumem o poder em uma entidade, as bases carregam consigo seus preconceitos, e caem facilmente em uma confusão - confundem ser contra o parasitismo partidário sobre os Sindicatos e entidades estudantis com ser contra a luta política, eleitoral e partidária. Ou seja, confundem ser dominados com dominar. É claro que evitar um gol e fazer um gol são coisas muito diferentes, mas todo brasileiro sabe que time que não faz leva, ou seja, as coisas têm relação. As bases, para terem poder, têm que exercê-lo. Se, com o pouco poder que têm, se intimidam, logo perderão até esse pouco. Uma coisa é não deixar os Partidos parasitarem os movimentos, outra coisa é os movimentos não buscarem influenciar as eleições, a vida política e partidária!
   

2 comentários:

Rio das Mortes disse...

Muito bom o texto. A desqualificação da política é uma concepção liberal, que tende a ver o mercado como o solucionador de tudo, que se ajusta por si próprio. Isto foi uma concepção que prevaleceu no início da modernidade, mas nós já estamos cansados de saber onde isso chegou. Por isso é que defendemos a participação política e o poder das bases. Essa reflexão sobre a diferença entre o basismo e o poder das entidades de bases é muito procedente, pena que aqui mesmo na UFSJ, essa discussão básica sequer foi compreendida.

Diógenes disse...

Realmente, seu texto ficou muito bom. Penso que o grande dilema da esquerda seja alcançar o grande público. Como politizar as massas que não querem saber de política? Como professor eu tenho conseguido algum sucesso, mas é muito limitado. Não se trata de "fazer a cabeça dos meus alunos", isso a mídia já faz. Trata-se de demonstrar aquilo que eles não conseguem perceber por conta própria. E mais: de lhes mostrar que é possível "mudar os rumos da História."
Por acaso não seria a sala de aula um espaço ideal para se começar a Revolução(pelo menos das mentes)? Acredito eu, que a escola publica seria um espaço muito mais profícuo do que os DA'S e DCE'S, hoje, cheios de politiqueiros de plantão.
Ps: estamos muito mais próximos de um consenso do que na época em que eramos faficheiros.

Postar um comentário