quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Eleições pegam fogo no Brasil - Eleitor de Dilma é assassinado e Serra é ferido em confusão no Rio de Janeiro

Em uma rápida passada de olhos pelas notícias do twitter descobri essas duas notícias desagradáveis. Uma pessoa foi morta no Acre por sua opção eleitoral, e no do Rio de Janeiro aconteceu uma pancadaria entre militantes dos dois candidatos a presidência da República na qual um dos candidatos, o que executava as privatizações no governo FHC, foi ferido na cabeça (já passa bem). Isso há 11 dias da eleição! Era mesmo de se esperar esse tipo de coisas desse segundo turno extremamente tenso, em que os capitalistas mais ligados ao capital estrangeiro se acham no direito de retomar a cabeça do governo federal, e tendo escolhido um candidato incapaz de esconder o que é, apelaram para demonizar a candidata adversária. A coincidência entre os pontos "fracos" da candidata governista e a cultura fascista do bloco demotucano parece ter resultado em revelar esse fascismo, em propagandas sujas, respondidas por um lado e pelo outro em uma escalada. Não me lembro de tensão tão grande nem em 1989, de forma que, sobretudo a continuar e crescer esse clima, temos mais um ingrediente da crise da República de 1988, ou seja, dessa Constituição, pois em nossos dias uma República só pode ser substituída por outra República.

Não vou detalhar os casos, que serão notícia em todo canto. O ferimento do candidato vende-pátria será usado certamente pela sua campanha, e eu não estranharia que foi acertado por um de seus cabos eleitorais, saiba ele disso ou não. Tipo do trabalho de "provocador", ou seja, um infiltrado para fazer cagada ou levar os outros a fazê-la.

Por outro lado, a campanha demotucana tem feito tantos desafetos que é capaz de gerar ódios verdadeiros entre os adversários. Tem sido veiculada, por exemplo, uma campanha machista subliminar em que aparece a frase "Ela não vai dar conta", agradável certamente aos homens machistas e que pretende passar impune pelas mulheres, assim chamadas de burras. A mesma propaganda tenta mostrar Dilma como incompetente porque um pequeno negócio que teve faliu. Ora, isso é criminalizar as vítimas! Oitenta por cento das portas que se abrem no mercado em poucos meses estão fechadas, e quase nunca a culpa é do dono, mas das circunstâncias que se alteram com uma força muito maior que a de um trabalhador autônomo com suas pequenas propriedades. Também atacaram Dilma por ter participado da luta armada contra a ditadura, ou seja, ficaram do lado da ditadura. Condenaram o aborto, não hesitando em desagradar suas próprias correligionárias (que assim vão aprendendo o que têm a ganhar dos fascistas), só para jogar a religião no processo eleitoral.

Também é característica fascista ficar mudando da cara, falar hora uma coisa, hora outra, mesmo coisas sem sentido e que não se encaixam. A técnica de comunicação fascista joga todas as suas fichas na emoção, no espetáculo, no ímpeto, na falta de razão, na mentira repetida mil vezes. As promessas de aumentos de salários que seus governos nunca deram e as outras promessas escandalosas sumamente irritantes para as pessoas de bom senso são também do receituário de Goebels, que descobriu que esse negócio de ensinar, de falar a verdade, de espalhar a luz, é coisa nossa, comunista, e não deles, cujo objetivo é exatamente o contrário - a ignorância, a mentira e a escuridão.

Esse resurgimento dos galinhas verdes, cor agora decomposta em azul e amarelo e a ave levemente retocada, é outro sintoma da crise de nossa República, ou seja, da Constituição de 1988. Era de se esperar, pois o que interessa em uma Constituição é a organização dos poderes, ou seja, é quem manda! Essa parte na Constituição brasileira resultou nos últimos 20 anos de desmoralização, de crescente corrupção, de escândalos em número cada dia maior, impostos astronômicos e incompetência generalizada. Uma Constituição onde os políticos se dão aumentos de salários e outros benefícios! Uma Constituição em que o Executivo tem força para comprar a maioria do Legislativo, a força do Legislativo é atravancar e gerar crises. O Executivo legisla, o Legislativo tenta julgar e o Judiciário é que acaba tendo que mandar executar, poder esse aliás cujo único traço de democracia é a indicação dos Juízes do Supremo pelo presidente da República, ou seja, nada.

O que sustenta essa Constituição é a inexistência de opções. Todos sabem que uma Constituinte agora, composta pelos políticos que temos, seria pior que a de 1988. O povo fala de uma "Constituição que não seja feita pelos políticos", o que parece engraçado (e é), mas quer dizer uma Constituição feita por outro tipo de político. Essas pessoas (uma minoria que sabe que existe Constituição) não sabem que estão pedindo uma revolução. E mais engraçado é que existem pretensos revolucionários que desconhecem que uma coisa indispensável e muito importante de qualquer revolução é uma nova Constituição.

Por fim, que bela democracia! Em que mesmo estamos mandando? O povo está mandando em que, escolhendo entre o governo atual e os demotucano? Isso não é uma escolha, é um teste - Se o povo for despolitizado o suficiente para votar nos fascistas, então é sinal de que é possível lhe arrancar mais o couro.

2 comentários:

alex disse...

O que agora está se espalhando pelo twitter é que Serra foi atingido por uma bolinha de papel!

Se for, e ele fez aquele show, então a direita brasileira está irresponsável de tudo.

alex disse...

Agora, jogaram um balão cheio de água em Dilma. A escalada de hostilidades continua.

Postar um comentário