domingo, 17 de outubro de 2010

Dois projetos inconfessáveis em luta

O segundo turno das eleições presidenciais brasileiras de 2010 está marcado por ataques pessoais e desinformação de tal nível que já desagrada um eleitorado bovinamente conformado e conformista. Grande parte da enganação de nosso sistema político reside no fato de que o eleitorado é levado a escolher entre pessoas quando o que está em jogo são projetos. Nesse caso os dois projetos em disputa têm semelhanças vergonhosas e diferenças indiscutíveis, mas isso está escondido pela insignificante questão das pessoas dos candidatos, que são e eleitos continuarão a ser atores, que é o que são os presidentes, que vivem da maquiagem para as recepções, para os encontros, os lançamentos, as inaugurações, as entrevistas, as viagens etc. Ou seja, qualquer pessoa inteligente é capaz de perceber que os governos são feitos por milhares de pessoas, e não por "presidentes" maquiadinhos cujo negócio é rir para observadores e dizer frases de efeito. Portanto, não interessa se o candidato foi isso ou aquilo, é casado ou separado, vai a missa ou é ateu, como não interessa nada disso no ator de um filme, e tudo isso só é usado para enganar os trouxas.
A primeira semelhança entre a coligação demotucana (fascistas e direita em geral) e a coligação PMDB-PT (desde setores da direita até setores da centro-esquerda, de forma que estou chamando de centrista) é que são capitalistas. A segunda semelhança é que nenhuma das duas pode confessar isso. Pelo contrário, os fascistas apelaram para a desconversa de afirmar que já não existe essa questão de capitalismo e socialismo, classes etc., e o partido da cabeça da coligação se chama social democrata!!?? Já na coligação centrista existe até mesmo uma esquerda dita comunista que tem coragem de afirmar que o atual governo é o início da revolução socialista no Brasil !!?? Trata-se de muita hipocrisia.
O fato é que a coligação de direita é anti-nacional, é a mesma corrente política que vendeu o Brasil na década de 90, que vende os estados que governa e que acabaria de entregar tudo aos gringos. É também anti-popular, o que significa que seu negócio é destruir a saúde pública e a educação pública, pois assim aumentam os lucros de seus "apoiadores". Também tem o objetivo óbvio de aumentar o desemprego pois é isso que reduz os salários e eleva os lucros de seus mesmos "correligionários".
Já a coligação centrista acende uma vela para Deus e outra para o Diabo, e se sabemos que não vai fazer nenhuma revolução, não vai portanto resolver de fato nenhum dos graves problemas da nação, também sabemos que não vai destruir a nação, como pretendem os entreguistas, que são doidos para reduzirem o Brasil a um estado dos EUA. Não investirá na educação muito mais do que os 2,6 do PIB atuais, mas também não a destruirá (enquanto em SP o candidato tucano cortou verbas da USP e depois mandou a polícia invadir essa Universidade). O mesmo se pode dizer da saúde. De forma alguma a coligação centrista resolverá o problema de desemprego, pois não deseja a revolução, mas ao menos tem criado mais empregos do que os empregos que o tempo todo o capitalismo extingue. Essas migalhas são o que o proletariado brasileiro consegue arrancar com o atual grau de desorganização e ignorância.
Eis porque no primeiro turno lançamos candidatura própria, porque queríamos lançar propostas de solução, enquanto a coligação centrista não pode solucionar coisa alguma e a direita pretende é destruir. Agora, precisamos ajudar a derrotar os demo-fascistas nas urnas e depois arrancar as soluções nas ruas! É necessário reconstruir quase do chão o campo socialista.

2 comentários:

personalescritor disse...

Irretocável:"Agora, precisamos ajudar a derrotar os demo-fascistas nas urnas e depois arrancar as soluções nas ruas! É necessário reconstruir quase do chão o campo socialista." Sua síntese é precisa.

Revistacidadesol disse...

Camarada Alex: acho que seria mais claro dizer que são duas facções do mesmo bloco liberal burguês, grupos que divergem em vários pontos sobre como administrar o mesmo projeto. As pequenas diferenças ficam evidentes nesse momento de disputa.
Mas estou satisfeitíssimo com a posição do PCB, a meu ver mais madura do que do restante da esquerda socialista.
Aqui na cidade, tentei organizar pelo menos um debate entre a esquerda agora no segundo turno, mas há desmobilização total: a deputada estadual da região ligada ao PT perdeu e o comitê fechou. O rapaz do PMDB jovem me explicou que quem puxou a campanha no primeiro turno foram eles e q no segundo é com o PT. E não está acontecendo quase nada. Na comunidade do Orkut, debato somente com um petista a favor de Dilma. Enfrentei, ao reproduzir a imagem do tucano fascista, até ameaças de processo por propaganda neonazista.

A situação por aqui está grave pq existem evidências de que a polícia matou um adolescente de 16 anos. A população notou as evidências e se revoltou, o que é surpreendente numa cidade que é sede do sétimo batalhão e que depende muito dele em todos os sentidos.

Ocorreu uma manifestação onde tive o prazer de estar, sem ter visto nenhum político da cidade, mas reunindo 300 pessoas. Nela, a família do adolescente se manifestou da maneira mais pungente, fazendo discuros na frente do fórum local. A população se manifesta em parte a favor, mas há quem acuse o menino de bandido, de traficante e justifique sua execução sumária.

Abs do Lúcio Jr.

Postar um comentário