segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Candidato comunista de São João del-Rei teve votos em 197 municípios

É realmente muito interessante o resultado eleitoral de nosso candidato a deputado federal. Ao contrário do que temíamos, seus votos não foram concentrados regionalmente. Pelo contrário, Alex teve 277 votos na capital, Belo Horizonte, e somente 178 em São João del-Rei, seguidos por 54 em Juiz de Fora. O total de 1.163 votos está espalhado por 197 municípios! Confiram vocês mesmos: http://www.almg.gov.br/eleicoes2010/resultados/Candidato/Municipio/CG6CA2121.htm .

Isso significa que nossos votos foram em sua maioria por motivações políticas, por concordância com nossas propostas, e não por motivações pessoais. Também é uma clara comprovação do que foi dito no artigo abaixo sobre a campanha em São João del-Rei.

Um comentário:

Revistacidadesol disse...

Oi, Alex. Desta campanha, verifiquei o seguinte: a enorme importância política da indústria cultural. Enquanto agora veremos Romário pedindo um aparte ao Tiririca, Bonifácio Andrada, dono da UNIPAC, não estará lá.

É preciso debruçar-se sobre o seguinte: essas pessoas tinham somente uma imagem, algumas eram subcelebridades e jogadores em fim de carreira. O ativo que elas tinha é uma imagem e a imagem conhecida tem enorme peso nesse tipo de campanha.

Já a participação de Plínio Arruda Sampaio, que na minha opinião ganhou todos os debates, inclusive na Globo, onde foi aplaudido de modo a interromper a fala do reaça William Bonner Simpson (foi a glória!) não bastou para que obtivesse nem um por cento.

E olha que ele apertou Marina e Dilma inúmeras vezes com perguntas difíceis que elas claramente tiveram dificuldades para responder, por vezes gaguejando, e fez com que Levy Felyx, candidato da direita independente, passasse a atacá-lo indiretamente como representante das elites e Eymael imitasse seu procedimento na redes sociais.

Se o conteúdo e a participação em espaços privilegiados não faz com que alguém ganhe votação significativa, é porque o público está ligado apenas à imagem e ignora o conteúdo. E no imaginário do público, pregou-se a imagem de "velho doido", "palhaço", que a imprensa codificou e disseminou na Veja, p. ex.

Sugiro então que o jornal esteja ativamente empenhado na crítica das imagens de TV, rádio e música popular e que se intensamente dedique a fazer a crítica da imprensa local e nacional.

Outra possibilidade é trazer para o partido pessoas que tenham uma imagem e convencê-las a defender o programa. Um exemplo positivo é Jean Wyllys, eleito deputado pelo PSOL.

Abraços do camarada Lúcio Jr.

Postar um comentário