quarta-feira, 22 de julho de 2009

Ciclovia sob as pontes de pedra

Sei que não é novidade, que já se pensou nisso, portanto não reivindico a autoria da ideia, nem para mim, nem para o Partido Comunista. Mas defendo que São João del-Rei precisa, com urgência, de uma ciclovia utilizando o espaço das margens do córrego do Lenheiro, desde o fim do Tejuco até o início da Leite de Castro, ou seja, cortando toda a cidade. Conheço o mais forte argumento contrário, de que isso buliria com um cartão postal da cidade, que é a ponte da Cadeia, mas é um argumento de gente que não conhece a história desse cartão postal, nem a ciência do paisagismo. Também conheço os verdadeiros interesses contrários, que são os capitalistas. Porém, os resultados positivos me levam a defender a adoção dessa bandeira pelos comunistas de São João del-Rei.

O Arraial Novo, que viria a ser a Vila de São João del-Rei, nasceu centenas de passos acima das margens do Lenheiro, então bem mais caudaloso, e como o Caminho Geral passava junto a essas margens, o arraial se estendeu naturalmente em sua direção, e depois o atravessou, para o que se usava, pasmem, barcos! Não sabemos se podemos acreditar nos desenhos que nos mostram um pequeno barco com uma vela latina, mas certamente se usava barcos para o que hoje um bom atleta pode pular!

O nome do córrego hoje, oriundo do nome da serra de onde nasce, indica um dos motivos de seu emagrecimento – o desmatamento nas nascentes. Certamente a agricultura e a pecuária também contribuíram, mas certo é que ainda cento e cinquenta anos depois de fundado o arraial, o que passava por baixo das poucas pontes então existentes era um rio. A ponte da cadeia já existia então há cinquenta anos, e já era um cartão postal. Passados mais quase cem anos, no aniversário da Estrada de Ferro Oeste de Minas, tendo então a ponte cento e cinquenta anos e suas fotografias estando distribuídas pelo país em jornais, livros e cartões postais, sobre um rio e não um gramado, ainda se represou as águas, o que já então era necessário para colocar barcos para as pessoas passearem.

Nada disso denegriu o cartão postal da cidade, muito pelo contrário. Então, com um bom projeto, que leve em conta as cheias que acontecem no verão e a beleza, o que pode ser feito mantendo o gramado e o melhorando, teremos uma via de transporte eficiente, barata e ecologicamente inteligente. Se por um lado os turistas veriam um novo cartão postal, com gente e bicicletas onde hoje só se vê grama, por outro poderiam eles mesmos passear por baixo dos arcos das pontes, assim como toda a população.

Teriamos significativa melhoria no trânsito, com súbita redução dos acidentes, que matam cada vez mais em São João del-Rei. Com 82 mil habitantes, São João tem cerca de 24 mil veículos automotores! Que os interesses do lucro, das empresas que ganham com o transporte poluente, fiquem acima da vida, é prova cabal de que o capitalismo tem que ser morto! Eis a força da bandeira, de denúncia do capitalismo, que é duplamente útil, pois facilita a vitória da mesma e enquanto não é vitoriosa flagela o inimigo.

Não somente para o bolso dos trabalhadores, mas para a economia da cidade, trata-se de enorme economia, pois o que os trabalhadores ganham, gastam por aqui mesmo, em nosso pequeno comércio. É estranho, até burrice, que existam comerciantes da cidade que não apóiem os trabalhadores, como se seus ganhos não fossem proporcionais aos salários dos clientes.

Os lucros das empresas de ônibus, de peças e de combustíveis quase não ficam na cidade, pois as duas últimas não são produzidas aqui e a primeira envia seus lucros embora. O que fica na cidade dessas empresas é o salário dos empregados, e esse não vai se reduzir pois as que poderiam demitir, as de ônibus, não podem pois suas linhas são fruto de concessão pública, não podem ser reduzidas até a próxima licitação, que (se o povo tivesse algum poder) poderia até melhorar e ampliar as linhas, incluindo inclusive empresas da cidade, e até motoristas de vãs.

4 comentários:

Cynthia disse...

A idéia é ótima e precisa ser colocada em prática porque, como você escreveu,São João precisa com urgência de uma ciclovia...não posso deixar de colocar que fiquei assustada com esse número tão alto: [...Com 82 mil habitantes, São João tem cerca de 24 mil veículos automotores!]

Abraços.

Alex Lombello Amaral disse...

Agora já passaram de 30 mil veículos automotores, sendo que os habitantes estão em cerca de 87 mil...

Paulo Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Ribeiro disse...

Ola meu Amigo Alex! Tudo bem? Essa ideia Eu coloquei no meu facebook no ano passado.Não estou reivindicando para mim essa ideia , mesmo porque isso pouco importa que importa mesmo e o bem comum.
Tinha essa ideia quando ai morava e vim a confirmar essa possibilidade observando as cidades aqui na Europa e principalmente Paris. Penso que e uma boa ideia que deve ser bem estudada para ser colocada em pratica.
Obs.: O IPHAM para mim e um órgão de organização e não de paralisação de uma cidade.

Postar um comentário